quinta-feira, 27 de maio de 2010

Para uma boa redação...

Já comentei em sala e aqui o quanto é importante aprimorar a redação. Vocês devem estar cansados de ouvir essa minha ladainha, mas eu ainda não me cansei de repetir. E sei que os professores de redação também estão nos pés de vocês.
Pois bem, o Fovest, caderno de Vestibular da Folha de S. Paulo, mantém um BLOG. E acabei de ler que a equipe do jornal pediu para que uma professora de redação, Vivian D'Angelo Carrera, analisasse aquelas 53 melhores redações que a FUVEST divulgou. A partir desta análise a professora listou "10 dicas para fazer uma boa redação".
Vocês podem estar se perguntando, mais uma vez, mas e o que isto tem a ver com história? Encare cada pergunta em história (ou geografia, literatura, biologia, etc) como uma proposta de redação, pois o procedimento será o mesmo. Assim, você poderá se preocupar apenas em saber ou não a matéria, mas deixará de errar devido a respostas confusas, sem nexo, incoerentes...

10 dicas para fazer uma boa redação


1. sublinhe, comente, questione, circule palavras, anote;

2. desenvolva perguntas-roteiro;

3. elabore um tópico-frasal, uma frase-chave, e desenvolva seu texto a partir deles;

4. faça um roteiro;

5. faça parágrafos e períodos com tamanhos razoáveis para que a ideia não fique confusa;

6. não dê exemplos extensos para justificar sua opinião;

7. seja objetivo;

8. explore os sinais de pontuação;

9. dê um título coerente com a discussão apresentada, resumindo-a;

10. conclua retomando texto e fuja dos clichês;

 
Parece meio óbvio, mas "não matarás" também é óbvio e nem por isso o pessoal segue os 10 Mandamentos.

8 comentários:

  1. Isso não adianta comigo, mas valeu a tentativa!!! ahahahhaa

    ResponderExcluir
  2. rsrs Mas você já tentou?

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Imagina só as minhas notas em redação!!

    ResponderExcluir
  5. Sim já tentei, fazer o que prefiro exatas como matemática em que não preciso escreve s contar!!ahahha

    ResponderExcluir
  6. hey Erik,
    então professor,eu tenho uma dúvida na refacção da atividade.Se você poder me ajudar é a seguinte,qual era o objetivo das penetrações do capitalismo internacional monopolizadas pelos estrangeiros?
    por enquanto é isso!!
    abraçoos Xx

    ResponderExcluir
  7. Dayana,
    Na segunda metade do século XIX, principalmente depois de 1870, o crescimento urbano no Brasil e no mundo transformou as cidades. Elas ficaram mais complexas e exigiam uma série de serviços (iluminação, transporte, etc) e de investimentos em infraestrutura (esgoto, água, construção de ruas e pontes, etc). Como esse tipo de investimentos demandava muito dinheiro o espaço que hoje entendemos como papel do poder público foi feito por empresas, principalmente inglesas e francesas. Essas empresas acabavam ganhando do governo o direito de explorar determinado mercado. Hoje temos as empresas de telefonia (a Telefónica é espanhola) com a diferença que naquela época ocorria o monopólio em um determinado setor. A Light and Power, por exemplo, era a única autorizada a fornecer energia elétrica em São Paulo.
    Abraços

    ResponderExcluir

Segundo o dicionário, liberdade de pensamento é o "direito que cada um tem de expor suas opiniões, crenças e doutrinas", e este direito é garantido aqui. No entanto, qualquer comentário sexista, racista ou de algum modo ofensivo será apagado.