terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Para refletir

O vídeo abaixo tem circulado em blogs e no Facebook. Para muitos a temática é a relação entre pais e filhos, a delicada questão dos limites, o ensino da responsabilidade e valores familiares, etc.
Em resumo: um pai revoltado com a atitude da filha, que resolveu expor na Facebook sua "revolta" com os afazeres domésticos, decidiu gravar um vídeo em resposta e puni-la publicamente, ou seja, na mesma moeda da filha.



Apesar da pinta de cowboy e da medida extrema (sou contra armas de fogo por princípio!), o discurso do pai me pareceu bem coerente. Mas gostaria de chamar atenção para um outro aspecto que já comentei em sala de aula em outras oportunidades e outros anos. As pessoas, especialmente a geração que nasceu conectada à internet, está perdendo a noção do que significa uma vida pública e o que é intimidade.
Segundo o pai, no vídeo, a menina resolveu expor sua "raiva" e junto expôs toda a vida familiar. Mas, ao mesmo tempo, esperava que só seus amigos vissem, pois havia bloqueado o acesso de seus pais. Por mais que diga respeito a sua própria vida, "família" implica em responsabilidades com outras pessoas. Sua atitude individual possui, sim, desdobramentos coletivos. E neste caso eles são bem evidentes.
É possível que a garota tenha pensado ainda que estava exercendo sua liberdade de expressão. Ok, mas de uma forma torta, deformada, pois não falou aos seus pais, mas para a audiência de internautas que poderia curtir seu desabafo inconsequente.
Há muito o que se pensar a respeito. E depois de refletir, há muito o que se fazer!

3 comentários:

  1. Ele foi genial, #justthat

    ResponderExcluir
  2. De algum modo eu sabia que você iria passar por aqui! :)

    ResponderExcluir
  3. A força é poderosa em você!

    ResponderExcluir

Segundo o dicionário, liberdade de pensamento é o "direito que cada um tem de expor suas opiniões, crenças e doutrinas", e este direito é garantido aqui. No entanto, qualquer comentário sexista, racista ou de algum modo ofensivo será apagado.